Glúten, Herói ou Vilão?

Certamente já terá ouvido falar no glúten, e se não sabia muito bem o que era pode ter ficado com uma impressão negativa do mesmo.

Nos últimos anos este tipo de proteínas encontrado em diversos cereais tem sido “demonizada” pelo público em geral e associada a todo o tipo de maleitas, desde o desconforto digestivo, a problemas de articulações, a acne, etc.

A recente explosão mediática à volta do glúten fez com que muita gente deixasse de o consumir sem saber bem porquê, e criou-se a ilusão de que alimentos sem glúten são mais saudáveis.

O que diz a ciência em relação ao glúten? Será assim tão mau para o nosso organismo? Será que consumir apenas alimentos sem glúten é a melhor opção?

O que é o Glúten e onde Encontrá-lo

O glúten é constituído por um grupo de proteínas que podemos encontrar em diversos cereais como o trigo, a cevada e o centeio. É comum em alimentos como o pão, as massas alimentícias, a pizza, a pastelaria diversa, as bolachas, as papas para bébés e os cereais de pequeno almoço. Quando estas proteínas são hidratadas e amassadas forma-se uma rede viscoelástica – GLÚTEN, de aspeto elástico, flexível e viscoso, típico das massas formadas a partir das farinhas de trigo. Esta rede é responsável pela estrutura final de muitos produtos que consumimos no nosso dia a dia.

Porque é que o Glúten é Considerado pouco Saudável?

A ingestão de glúten em indivíduos geneticamente predispostos à doença celíaca desencadeia uma reação imune que causa uma inflamação crónica na mucosa do intestino delgado, com repercussões na absorção de vários nutrientes como o ferro, ácido fólico, cálcio e vitaminas lipossolúveis.

Estima-se que cerca de 1% da população mundial nasce com esta predisposição genética. Nestes casos, uma dieta isenta de glúten é fundamental para eliminar a inflamação e controlar os sintomas.

Também existem reações alérgicas ao glúten, com sintomas que vão desde manchas vermelhas e comichões, a vómitos e a situações mais graves como a anafilaxia.

São assim tão Comuns as Reações Adversas ao Glúten?

Estas reações ao glúten existem em pessoas com predisposição genética, mas a maioria das pessoas não as tem.

Vários estudos indicam ter havido um aumento da incidência desta doença desde a 2ª metade do século XX nos EUA e na Europa, que parece estar associada a uma maior eficiência dos meios de diagnóstico disponíveis e a uma alteração nas dietas e no estilo de vida dos países ocidentais. Aspetos como a exclusão da amamentação, a introdução precoce de produtos contendo glúten na primeira fase da infância, o elevado consumo de glúten per capita (quer de modo direto, quer na forma de aditivos frequentemente utilizados em alimentos processados e outros produtos), parecem ser apontados como principais causas deste incremento.

A associação do glúten a sintomas de desconforto digestivo como inchaço, dores de barriga e diarreia após o consumo de alimentos com este tipo de proteínas passou a ser frequente.  Vários estudos científicos foram desenvolvidos para comprovar se o glúten era sempre a origem deste tipo de sintomas e verificou-se que existem efetivamente algumas pessoas com intolerância a alimentos com glúten, mas também existem outros componentes que podem provocar esse tipo de sintomas.

É o caso deum tipo de hidratos de carbono de cadeia curta FODMAPs – Fermentable Oligo-Di- Mono-saccharides And Polyols.Estes FODMAPs são encontrados em vários alimentos  como a fruta, os vegetais, as leguminosas e os laticínios, sendo incrivelmente empobrecedor eliminar todos esses alimentos de uma dieta.. Recomenda-se assim muita atenção aos alimentos específicos que provocam esse desconforto para que só se evitem mesmo esses.

Essa sensação de desconforto  também pode ocorrer devido ao consumo excessivo de alimentos processados com açúcares adicionados.

 Quais são as Vantagens e Desvantagens de uma Dieta sem Glúten?

Quaisquer alterações drásticas à nossa alimentação podem ser um risco, e eliminar o glúten sem provas concretas de que este faz mal não é exceção.

Se não tiver indicações médicas que prescrevam a realização desse tipo de alterações na alimentação, arrisca-se a não ter resultados, provocar outros transtornos e gastar mais dinheiro.

Muitos consumidores acham que uma dieta isenta de glúten é mais saudável porque ouviram dizer, mas na verdade alimentos sem glúten contêm menos ferro e outro minerais, fibras, ácido fólico e outros nutrientes importantes, sendo nutricionalmente e organoleticamente mais pobres.

Também têm tendência a ser mais processados, a ter maior teor de açúcares e gorduras. Vários estudos indicam que uma dieta isenta de glúten pode contribuir para o aumento de peso e obesidade, mesmo no caso dos celíacos. Além de serem uma opção mais dispendiosa que os alimentos normais com glúten, existem poucas evidencias científicas de que realmente sejam mais saudáveis

Há ainda a destacar o importante papel que o glúten desempenha na alimentação e nutrição mundial. É uma fonte proteica vegetal de fácil acesso, que se não existisse, traria consequências nutricionais ainda mais nefastas para os países menos desenvolvidos.